1. Início
  2. Notícias
  3. 2019
  4. Março

Prefeitura dá início a testes na estrutura do prédio do antigo INSS

Empresa licitada entregará laudo de avaliação de segurança estrutural

Atualizada dia

A Prefeitura de Caxias do Sul deu início nesta quarta-feira (27/03) às testagens na estrutura do prédio do antigo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), localizado no final da rua Pinheiro Machado, no bairro Cinquentenário. O trabalho será realizado pela empresa Planicon Engenharia, vencedora da licitação. A contratada deverá entregar para análise do Município um laudo de avaliação da segurança estrutural com indicações de soluções técnicas para os problemas encontrados na edificação. O objetivo é que o local sedie equipamentos públicos de saúde e assistência social, conforme determinado pela União ao doar o patrimônio.

O prédio foi construído na década de 1960 e está desocupado desde 2011, quando foi encerrado o contrato de aluguel firmado entre o Município e a União, então proprietária do imóvel. À época, sediava o Centro Especializado em Saúde (CES) e a Vigilância Sanitária, ambos serviços da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). A propriedade do espaço foi revertida ao Município no início de 2017, com o local já depredado e sem diversas estruturas metálicas e portas, retiradas por vândalos.

Após a prefeitura receber a posse definitiva do imóvel, a Seplan elaborou estudos de viabilidade apresentados para a SMS e para a FAS, a fim de averiguar o interesse das unidades na instalação de serviços. Foram apresentados dois cenários: a possibilidade de reforma ou de construção de uma unidade nova. Entretanto, a definição depende do resultado dos laudos, que permitirão ao Executivo estudar qual opção é mais benéfica para a comunidade a longo prazo. A Seplan realizou os orçamentos necessários para a licitação da empresa especializada e comprovadamente capacitada para entregar os estudos. O investimento da prefeitura é de R$ 52,5 mil.

Foto por Adriano Chaves

“Essas informações são essenciais para a definição do que será possível fazer, em virtude da deterioração do prédio ao longo dos anos. Não podemos colocar em risco a segurança das pessoas e a utilização dos recursos públicos. Atualmente, o prédio não tem sequer telhado, é repleto de infiltrações e vegetação. Somente os estudos técnicos de engenharia possibilitarão que o governo decida o que é mais vantajoso e viável para que a estrutura volte a ser utilizada”, explica Fernando Mondadori, secretário do Planejamento.

Na visita desta quarta-feira, a engenheira civil da Seplan que fiscaliza os estudos para elaboração do laudo, Diana Ceccatto, acompanhou a vistoria da empresa. “Numa análise visual, percebemos que é um prédio robusto, porque se mantém mesmo com tantos anos de depredação. Ele é composto por um misto de concreto armado e alvenaria estrutural. É fundamental sabermos quais paredes não podem ser removidas, por exemplo, para não comprometer a edificação”, informa a engenheira.

Galeria de imagens
1 de 14 imagens

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

Foto por Adriano Chaves

No contrato firmado com o Município, a empresa deverá fazer o levantamento de toda a estrutura existente, com um acervo fotográfico detalhado, além de realizar ensaios e provas de carga pertinentes. Também verificará a integridade e estabilidade (fundações, pilares, vigas, lajes, alvenaria estrutural, alvenaria de vedação e cobertura) e analisará as anomalias encontradas, identificando pontos críticos e riscos existentes. A contratada deve ainda apontar soluções técnicas para os problemas, estabelecendo as diretrizes para a elaboração dos projetos de reforma e, sendo o caso, de reforço da estrutura.

O prédio possui três pavimentos que acompanham o desnível do terreno, sendo composto por subsolo, pavimento intermediário e pavimento térreo, num total de 2.773 metros quadrados. A estimativa da Seplan é que o estudo seja entregue ao Município ainda no primeiro semestre de 2019.

Assessoria de Imprensa - Seplan