1. Início
  2. Notícias
  3. 2021
  4. Novembro

Retorno obrigatório da rede pública municipal está marcado para 16 de novembro

Definições sobre a volta das aulas presenciais foram tratadas em reunião entre gestoras da Secretaria da Educação e equipes diretivas das escolas

Atualizada dia

A secretária de Educação de Caxias do Sul, Sandra Negrini, conduziu reunião, nesta quinta-feira (04.11), com as equipes diretivas das 83 escolas de ensino fundamental da rede municipal de ensino. O objetivo foi o alinhamento com as escolas no atendimento à presencialidade obrigatória a contar de segunda-feira (8/11), como estabelece o decreto estadual nº 56.171/2021.

Ficou estabelecido que as escolas terão a semana, entre 8 e 12 de novembro, para ajustes de forma a dar tempo de organização e comunicação com os estudantes, pais ou responsáveis sobre como se dará a volta obrigatória às aulas presenciais. Desta forma, o retorno de todos os estudantes se dará a partir do 16 de novembro.

A normativa publicada assegura a permanência no regime híbrido ou virtual aos estudantes que, por razões médicas comprovadas mediante a apresentação de atestado, não possam retornar integral ou parcialmente ao regime presencial. O novo decreto possibilita que as instituições que não puderem assegurar o distanciamento mínimo de um metro, devido ao tamanho do espaço físico escolar, poderão adotar o sistema de revezamento dos estudantes. Para tanto, deverão assegurar a oferta do ensino remoto nos dias e horários em que os estudantes não estiverem presencialmente na escola. As equipes gestoras destas instituições de ensino entrarão em contato com suas comunidades escolares para orientações. Cuidados como uso obrigatório de máscara, higienização constante das mãos e ambientes ventilados deverão ser mantidos rigorosamente.

A secretária Sandra Negrini fez uma reflexão com o grupo de diretores e diretoras sobre como deve ser o retorno dos alunos. “Milhares de mortes pelo país, perdas salariais e mudanças de hábitos ocasionadas pela pandemia devem fazer com que os estudantes voltem às salas de aulas diferentes da forma como saíram. Para que a transição ao novo normal seja mais suave, é preciso, acima de tudo, que os estudantes sejam ouvidos, independentemente da faixa etária”, avaliou.

A titular da educação assinalou ser preciso buscar empatia, mostrando curiosidade e estando disponível para acolher a dor do outro. “As crianças e os estudantes necessitarão ser ouvidos de forma individual, principalmente os que enfrentam o luto. É importante criar espaços coletivos de conversa para fortalecimento da identidade no grupo e oportunizar nesse momento a expressão dos pensamentos para motivação e percepção das potencialidades de cada um, auxílio na resiliência e fortalecimento de vínculos”, acrescentou.

A secretária exaltou as equipes diretivas por conhecerem bem a realidade da maioria dos estudantes e familiares das escolas. Em situações específicas, foi estabelecido que a comunicação com as famílias e justificativas sobre não presencialidade sejam registradas pelas instituições.

Nos próximos dias, a Smed receberá os dados definitivos sobre os números do retorno presencial, considerando casos de estudantes que não retornam e condições de metragem de algumas escolas. A secretária adianta que, pelos dados disponíveis, cerca de 75% das instituições de ensino têm condições de receber a totalidade dos estudantes.

Foto por Juliane Ribas