1. Início
  2. Notícias
  3. 2022
  4. Janeiro

Caxias encerra ano com 209 focos do mosquito da dengue

Município pede que a população reforce os cuidados para evitar água parada e, assim, eliminar os criadouros do inseto, que também transmite zika vírus e febre chikungunya

Atualizada dia

A Vigilância Ambiental em Saúde informa que o ano de 2021 foi finalizado com a preocupante marca de 209 focos do mosquito da dengue espalhados por Caxias do Sul. Esse dado mantém a cidade em estado de alerta para o Aedes aegypti, transmissor não só de dengue, mas de zika vírus e febre chikungunya.

Para se ter uma ideia da situação, há casos em que foram encontradas até oito larvas do mosquito em um único local. Em outro ponto, foram localizados seis insetos já adultos. O problema ocorre em residências, comércio, terrenos baldios e outros locais, ou seja, o risco é para todos os caxienses.

O mosquito se reproduz em água parada, por isso, a importância de estar alerta em todos os ambientes. A Vigilância Ambiental em Saúde solicita apoio da população para poder enfrentar o mosquito: sempre fechar bem os reservatórios de água, limpar os bebedouros de qualquer animal de estimação e descartar lixo da forma correta são maneiras de deixar a cidade mais segura deste inseto.

A Vigilância lembra que a dengue é uma doença séria e que pode matar. Por isso, caso sejam encontrados focos positivos (com presença do mosquito Aedes aegypti) pode ser aberto um processo administrativo sujeito à multa ou advertência por não seguir as instruções ao combate da dengue.

Além das fiscalizações e orientações realizadas nas residências da comunidade, os agentes de combate às endemias realizam o monitoramento periódico em 225 pontos estratégicos, como ferros velhos, depósitos de carros, floriculturas e cemitérios, locais em que há grande probabilidade de surgirem criadouros do mosquito. Outra forma de ajudar é denunciando para o Alô Caxias (156) lugares com água parada para que a vigilância possa averiguar.

Distribuição por bairros

  • Cruzeiro: 57
  • São José: 24
  • Colina Sorriso: 13
  • São Luiz da 6 ª Légua: 11
  • Reolon: 10
  • São Cristóvão: 9
  • Bela Vista: 8
  • Nossa Senhora de Lourdes e Charqueadas II: 7
  • Charqueadas I e Petrópolis: 6
  • De Lazzer, Desvio Rizzo/Jardim da Lagoa, Tijuca e Santa Lúcia Cohab: 5
  • Pioneiro: 4
  • Centenário, Sagrada Família e Pio X: 3
  • Jardim América, Mariland e Medianeira: 2
  • Centro, Cristo Redentor, Jardim do Shopping, Jardim Eldorado, Marechal Floriano, Mariani, Santa Fé, Santa Lúcia, Universitário, Vila Seca, Villa-Lobos e Vinhedos: 1

Orientações para evitar a proliferação

  • Limpar com escovação, semanalmente, o recipiente de água dos animais domésticos
  • Recolher o lixo do pátio
  • Colocar o lixo ensacado para ser recolhido pela Codeca
  • Recolher pneus inservíveis e armazená-los em locais secos e protegidos da chuva, ou encaminhá-los à Central de Armazenamento de Pneus Inservíveis da Codeca
  • Tampar caixas d’água
  • Colocar telas milimétricas em caixas d’águas descobertas, reservatórios de captação de água da chuva e nos ralos
  • Limpar as calhas
  • Semanalmente, lavar e escovar piscinas plásticas, trocando a água
  • Eliminar os pratinhos das plantas
Galeria de imagens
1 de 2 imagens

Foto por Vigilância Ambiental em Saúde

Foto por Vigilância Ambiental em Saúde