1. Início
  2. Notícias
  3. 2022
  4. Março

Prefeitura de Caxias retira obrigatoriedade do uso de máscara em espaços abertos

Decisão anunciada pelo prefeito Adiló Didomenico foi respaldada pelo Gabinete de Crise

Atualizada dia

O prefeito Adiló Didomenico anunciou, no início da noite desta sexta-feira (11/03), durante sua live semanal, a flexibilização no uso de máscara em Caxias do Sul. Com a publicação de decreto em edição extra do Diário Oficial do Município, é permitido que a população circule em espaços abertos, públicos e privados, em vias públicas e demais locais ao ar livre de uso coletivo. A flexibilização é válida desde a tarde da sexta.

À tarde, o prefeito comandou a reunião do Gabinete de Crise que avaliou os números da covid-19 em Caxias do Sul, que mostram-se em declínio constante, oportunizando a flexibilização das medidas restritivas. “Sempre defendi o uso da máscara como fundamental para a prevenção contra a doença. Mas, neste momento, com os dados que temos do declínio de novos casos e mortes, considero que a flexibilização é possível”, afirmou o prefeito. Em paralelo, a vacinação teve avanço significativo na cidade, ultrapassando a marca de 85% da população vacinável – acima de cinco anos – com uma dose. Com segunda dose, o índice é de 75% e, com reforço, 34%.

O prefeito ainda lembrou que a decisão está alinhada com posição da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne), que defendeu junto ao governo do Estado o fim o uso da máscara em locais abertos. Reforçou, no entanto, que as demais medidas sanitárias seguem vigentes, como manutenção do distanciamento, limpeza frequente das mãos e higienização com álcool em gel. Também reforçou a importância de população continuar se vacinando.

A secretaria da Saúde, Daniele Meneguzzi, que acompanhou o prefeito no anúncio, apresentou os números que subsidiaram a tomada de decisão. Nesta sexta, a cidade tinha pouco mais de 400 pacientes contaminados, dos quais 11 internados em leitos de enfermaria e cinco em unidades de terapia intensiva (UTI). “Em março e abril do ano passado tínhamos 40 pessoas em lista de espera por leito em UTI”, recordou a secretária.

Daniele Meneguzzi ainda mencionou dados quanto à evolução da doença nos dois primeiros meses do ano. Destacou que na terceira semana de janeiro, a cidade tinha perto de 5,4 mil pessoas contaminadas, número que caiu para pouco mais de 700 na última semana de fevereiro. De acordo com a secretária, os indicadores reafirmam a importância da vacinação, que inibiu a contaminação, mesmo com a realização de Festa da Uva, retorno 100% presencial às aulas, inclusive do ensino superior, e Carnaval. “Os dados se comportaram como era previsto e vinham ocorrendo em outros países. Alta acentuada durante quatro a cinco semanas, seguida de um decréscimo brusco de casos e óbitos”, registrou. Reforçou a importância da vacinação com o dado de que 80% dos óbitos e casos mas recentes são de pessoas sem esquema vacinal completo ou que não se vacinaram.

Galeria de imagens
1 de 5 imagens

Foto por João Pedro Bressan

Foto por João Pedro Bressan

Foto por João Pedro Bressan

Foto por João Pedro Bressan

Foto por João Pedro Bressan