1. Início
  2. Notícias
  3. 2022
  4. Agosto

Caxias do Sul chega a quatro casos de monkeypox/ varíola dos macacos

Todos os contatantes são monitorados pela Secretaria Municipal da Saúde

Atualizada dia

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Caxias do Sul informa a confirmação de mais dois casos de monkeypox, doença popularmente conhecida como varíola dos macacos. Desta forma, são quatro registros no Município. As últimas duas confirmações foram emitidas pelo Estado na terça-feira (09/08).

Os dois novos casos são de pessoas do sexo feminino. Uma é contatante de um dos pacientes confirmados anteriormente; a outra tem familiares que tiveram contato com pessoas de fora de Caxias do Sul. Nenhuma necessitou de hospitalização, mas as duas seguem em monitoramento pela SMS, assim como todos os contatantes.

Além das quatro confirmações, o Município contabiliza um caso provável (quando o paciente não procurou o serviço de saúde em tempo hábil para a realizar a coleta de material para exame), um em investigação e três descartados.

São considerados casos suspeitos pacientes com início súbito de erupção cutânea em forma de bolinhas com líquido como água ou pus. As lesões podem ser esparsas ou agrupadas, lembrando herpes ou cobreiro. Esses sinais podem estar associados com febre, dor de cabeça, dores musculares ou nas costas e ínguas. Pessoas que apresentarem esses sintomas devem procurar serviços de saúde.

Sobre a doença:

A monkeypox é uma doença viral. A transmissão ocorre pela exposição próxima e prolongada com pessoa infectada e sem máscara, contato físico direto (incluindo contato sexual, mesmo com uso de preservativo) ou contato com materiais contaminados, como roupas, toalhas, talheres, lençóis e outros.

Prevenção:

  • Isolamento dos casos confirmados ou em investigação.
  • Uso de máscara (uma vez que a transmissão pode ocorrer por meio de gotículas).
  • Intensificação da higiene individual (lavagem de mãos) e ambiental (desinfecção de superfícies que o paciente tenha tocado).

Origem do termo monkeypox:

Para evitar que haja um estigma e que ocorram ações contra os macacos, o Ministério da Saúde orienta não denominar a doença no Brasil como varíola dos macacos. Embora tenha se originado em animais desse gênero, o surto atual não tem relação com eles: os macacos não são reservatórios do vírus. Assim, o Ministério da Saúde adotou o termo monkeypox, denominação dada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O nome “varíola dos macacos” se origina da descoberta inicial do vírus em macacos em um laboratório da Dinamarca em 1958. O primeiro caso humano foi identificado em uma criança na República Democrática do Congo em 1970.