1. Início
  2. Notícias
  3. 2022
  4. Novembro

Caxias do Sul passa a oferecer gratuitamente aos estudantes da rede municipal exame não disponível pela tabela SUS

Tratamento pelo sistema público depende de verificação que até então só podia ser obtida por plano de saúde ou pagamento particular

Atualizada dia

Em uma sala de aula, enquanto a professora fala, misturam-se o barulho de conversas paralelas, carros passando na rua, alguém andando pelo corredor, uma porta batendo lá longe, a bagunça do recreio ou o alarido típico de uma atividade de educação física, ocorrendo no pátio. Como qualquer pessoa que tenta prestar atenção em algum assunto, o estudante precisa isolar todo ruído ao redor e se concentrar apenas no que está sendo dito pela educadora. A esta habilidade dá-se o nome de Processamento Auditivo Central (PAC). Só que nem sempre ela funciona muito bem. E quando isso acontece, os sons ficam todos embaralhados no cérebro e surgem, entre outros problemas, dificuldades de aprendizagem e de comunicação. O problema tem solução, com tratamento disponível pelo SUS. Mas o encaminhamento depende de um exame não coberto pelo sistema público: para conseguir, só pagando particular. Uma realidade que começa a mudar para os estudantes da rede municipal de Caxias do Sul.

A partir da segunda quinzena de novembro, a Secretaria Municipal de Educação (SMED), graças a uma parceria inédita com a Associação Cultural e Científica Virvi Ramos – por meio do Centro de Saúde Clélia Manfro –, passa a oferecer gratuitamente a aferição de Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) a todos os matriculados. O serviço estará disponível durante todo o período letivo – ou seja, até a primeira quinzena de dezembro de 2022, com retorno em fevereiro de 2023. Como a atividade conta com participação das acadêmicas de fonoaudiologia da Faculdade Fátima, o calendário de atendimentos coincide com o de aulas. A partir do resultado do exame, que verifica ou não eventuais anormalidades na capacidade auditiva, se encaminha o estudante para tratamento via UBS.

“É diferente de um exame de surdez, por exemplo, que é o mais conhecido e está coberto pelo SUS. O exame do Processamento Auditivo Central se refere ao conjunto de habilidades específicas das quais o indivíduo depende para compreender o que ouve”, explica a fonoaudióloga Anelise Andrade, integrante do COMUNICAR – Núcleo de Fonoaudiologia da SMED.

Recentemente, pesquisas têm constatado a relação do Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) com dificuldades e transtornos específicos de aprendizagem.

“A possibilidade de disponibilizar este exame gratuitamente na rede municipal de ensino é um achado muito positivo para a educação. Muitas vezes os profissionais se veem limitados nas intervenções com os estudantes, cuja evolução dos aspectos da aprendizagem está comprometida em função da alteração do Processamento Auditivo Central. Há estratégias cientificamente comprovadas de reabilitação das habilidades auditivas alteradas, possibilitando um melhor desempenho escolar”, comenta a diretora Pedagógica da SMED, Paula Martinazzo.

O transtorno pode ser tratado com terapia fonoaudiológica específica, disponível via SUS, porém, para isto, é necessária a Avaliação do Processamento Auditivo Central (APAC) que aponta as habilidades auditivas comprometidas e sugere condutas necessárias.

“Quem faz a solicitação do exame é o médico ou profissional de fonoaudiologia e a escola, por meio de uma ficha, faz o encaminhamento. É uma simples série de testes, não dói nada. Se for percebida alguma alteração, se encaminha o estudante para terapia fonoaudiológica na rede municipal de saúde”, informa a fonoaudióloga Anelise Andrade.

Como é feito o encaminhamento

  • O estudante deve possuir solicitação médica ou fonoaudiológica para realizar a Avaliação do Processamento Auditivo. A solicitação deve ser entregue à escola pelo responsável do estudante
  • A escola preenche a ficha de encaminhamento para a avaliação, disponível na página do COMUNICAR no Portal da Educação e anexa a solicitação entregue pelo responsável
  • A escola entrega a documentação, de forma física, no Setor Pedagógico da Secretaria Municipal da Educação para as fonoaudiólogas do COMUNICAR e aguarda o contato para o agendamento do exame

Orientações gerais para o exame

  • O exame pode ser realizado apenas em crianças a partir dos sete anos de idade
  • Ir bem alimentado e descansado
  • A criança não pode estar gripada no dia do exame
  • Caso a criança faça uso de medicações contínuas, utilizar a medicação normalmente no dia do exame
  • O exame é realizado em um único dia, mas com duas sessões com duração de 1 hora e 30 minutos cada
  • Comparecer no horário marcado, acompanhado do responsável, com os exames audiológicos (se possuir)

Fotos: Samuel Maciel