1. Início
  2. Notícias
  3. 2022
  4. Novembro

Comitê articulará políticas de atenção às pessoas em situação de rua, em Caxias

Grupo formado por secretarias e entidades da sociedade civil desenvolverão ações conjuntas e estratégicas voltadas a este público

Atualizada dia

Fomentar a Política Nacional para a População em Situação de Rua para assegurar o acesso aos serviços que envolvam saúde, educação, assistência social, cultura e demais áreas. Esse é um dos objetivos do Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Política Municipal para a População em Situação de Rua (Comitê Pop Rua Caxias do Sul), oficialmente instituído pela Prefeitura na quarta-feira (23/11), em ato realizado nas dependências do Centro Pop, localizado no Bairro Cinquentenário.

O comitê é paritário e formado por 22 integrantes, representantes do poder público municipal, da sociedade civil das políticas públicas e serviços relacionados ao atendimento da população em situação de rua e do público atendido. A coordenação caberá ao Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop Rua) de Caxias do Sul, vinculado à Fundação de Assistência Social (FAS).

Uma das primeiras ações será a elaboração do Plano Municipal de Acompanhamento e Monitoramento da Política para a População em Situação de Rua, com ênfase em metas, objetivos, responsabilidades e orçamentos, bem como no acompanhamento e monitoramento da implementação e do desenvolvimento do mesmo. Também estão programadas a realização do controle social e do emprego dos recursos financeiros consignados para os programas e as políticas para esse público, e a articulação intersetorial das ações e serviços municipais para atendimento da população em situação de rua.

Menos de 3% das cidades do país oferecem um Centro Pop Rua integralmente público. Dos 5.570 municípios, Caxias figura dentre os 167 com esse serviço. Caxias possui o Centro Pop Rua desde 2010, ofertando dois serviços: interno, com banho, café da manhã, documentos e encaminhamentos; e externo por meio do serviço especializado de abordagem social. O investimento anual é de R$ 2 milhões, com média de 420 acessos por mês. No mais recente relatório foram identificados 80 novos usuários, 120 migrantes e imigrantes, sendo 90% do sexo masculino. O município dispõe de três casas de passagem, com 120 vagas e investimento anual de R$ 2,6 milhões. Dos atendidos, 87% apresentam dependência química.

A presidente da FAS, Katiane Boschetti da Silveira, destacou a importância da criação do comitê, o qual garantirá a ampliação do trabalho com a população de rua do município. Como se fosse possível, citou que rotineiramente a comunidade cobra do poder público a retirada destes grupos das ruas. Citou que legislação federal de outubro de 2020 veda a coação para retirar pessoas das ruas, mesmo que seja para, na forma de convite, ser atendido pelo serviço público especializado. “Meu desejo é que todos vocês tenham uma cama quente para dormir, a oportunidade de refeições regulares, mas ninguém pode obrigá-los a sair da rua”, enfatizou.

Ao assinalar que a situação de rua é uma realidade global, agravada na pandemia, afirmou que o atendimento desta população não pode se limitar ao poder público. “Setores da sociedade tratam a população de rua como seres invisíveis, mas não são. Por isso, celebro a criação do comitê, visando à integração e união das diferentes políticas e agentes, unindo serviços públicos e sociedade civil. Teremos um olhar integral para seres que são integrais”, enfatizou.

O prefeito Adiló Didomenico salientou que a Administração Municipal preocupa-se com a população de rua, razão para que invista mais de R$ 4 milhões anuais na oferta de serviços. Mas conclamou para que usuários também se importem com as suas vidas. “Vocês têm o livre arbítrio de ficar nas ruas, mas isto não pode ser definitivo, tem de ser temporário. É preciso evoluir como pessoa e buscar capacitação para ingressar no mercado de trabalho. Assim, será possível constituir ou voltar a ter um lar. Por isso, proponho aqui um pacto de ajuda mútua”, assinalou.

Após a solenidade, houve a exibição de um vídeo institucional do Centro Pop, produzido em parceria com o Centro Integrado e curso de Psicologia do Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG. O encontro reuniu dezenas de usuários do Centro Pop e lideranças da comunidade. Dentre elas, a vice-prefeita Paula Ioris, as secretárias da Cultura, Aline Zilli; da Educação, Sandra Negrini; e da Saúde, Danielle Meneguzzi; a presidente da Companhia de Desenvolvimento de Caxias, Maria de Lourdes Fagherazzi; a diretora de Proteção Social da Segurança Pública, Suely Rech; Fernanda Dalla Bova, da secretaria da Habitação; vereadores Juliano Valim, representando o Legislativo, Lucas Caregnato e Olmir Cadore; Marcia Fuhr, gerente do Centro Pop Rua; Ana Paula Flores, do Conselho Municipal de Assistência Social; Alexandre de Almeida, do Conselho Municipal de Saúde; Mário Pontalti, da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços; Driele Lima, da Câmara dos Dirigentes Lojistas; Euclides Sirena, da Fundação Caxias; e Neodir Lorenzini, da Cruz Vermelha. Também participaram servidores do Centro Pop e as diretoras da FAS, Geórgia Tomasi, Franciele Roso e Jovani Fochesato.

Galeria de imagens
1 de 9 imagens

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel

Foto por Samuel Maciel